• (11) 29353410 • (11) 29353413

Lei do atestado médico nas Academias: Use-a a seu favor

Lei dos atestados

Desde o ano de 2012, em São Paulo, o projeto de lei 01-00195/2012 desobriga as academias exigirem atestados médicos de clientes que tenham idade entre 15 e 69 anos. O procedimento, desde então, é que os clientes que estejam dentro desta faixa etária apenas preencham um formulário de um Questionário de Prontidão para Atividade Física (PAR-Q).  Em outros Estados às regras podem variar por não ser uma lei federal (que serve para todo o Brasil).

Alguns exemplos de perguntas do PAR-Q são “Você sente dores no peito quando pratica atividade física?” e “Você toma atualmente algum medicamento para pressão arterial e/ou problema de coração?”.

Mesmo que a lei desobrigue as academias de exigirem o atestado médico dos alunos, é importante que você gestor fique atento este assunto, seja garantido que seu negócio tenha toda estrutura necessária para que o aluno pratique atividade física com muito bem-estar e segurança. E isto envolve ter profissionais capacitados para prestar os primeiros socorros e kit´s para atender algumas emergências médicas.

Qual a importância do atestado médico nas academias?

Antes desta lei, muitos gestores reclamavam que a exigência do atestado médico dos clientes se tornava um fator impeditivo de vendas. No entanto, após a desobrigação isto não é motivo que as academias informem aos alunos a importância de realizarem exames médicos, afinal, é uma garantia de segurança tanto para o cliente quanto para sua academia.

Uma boa maneira de comunicar isto ao cliente é deixar avisos em lugares estratégicos da academia, informando da importância do aluno realizar um exame médico.

Adesivos na catraca, cartazes na recepção ou avisos em áreas visíveis da academia, estas são algumas estratégias que você pode fazer para deixar o aluno consciente sobre o atestado médico.

Um convênio entre Academias e clínicas também é uma boa oportunidade para garantir um atendimento personalizado ao mesmo tempo em que evita gastos. Dessa forma, o proprietário não precisa reservar espaço físico dentro da Academia, nem contratar profissionais apenas para essa função.

As mais prevenidas sempre cobraram exames com mais frequência, isso garante a segurança do proprietário e do aluno.

 “O gestor pode usar o pedido de atestado como uma amostra da importância que a Academia dá a segurança de todos… Sabemos que um atestado médico é positivo em 98% dos casos, mas ainda assim os 02% são os que nos preocupam, às vezes pode ser uma limitação não conhecida, sendo mais um motivo para fazer atividade física com segurança”, ressalta Luis Perdomo, presidente da Acade Gestão de Academias.

A relação com o cliente pode melhorar a partir do momento que o gestor mostra seu interesse por ele. Garantir a saúde do aluno é uma ótima maneira de demonstrar isso. Contratar um médico para atender dentro da própria academia pode ser uma boa opção, para criar vínculos entre clientes e profissionais, desde que não haja uma obrigação pelo atendimento exclusivo dentro do estabelecimento.

Estatisticamente, em uma Academia com centenas de clientes, são altas as possibilidades de ocorrer acidentes. Se ele não tivesse um atestado de liberação médica, isso poderia trazer implicações jurídicas, legais e econômicas para o estabelecimento, sem falar nas questões morais.

A lei em si não reduzirá o número de matrículas, a única coisa que pode trazer riscos é o mau atendimento. Se sua Academia garante um bom atendimento, uma lei como essa não o deixará com peso na consciência.

Quer mais dicas de sobre Gestão de Academias? Baixe Gratuitamente nosso E-book 10 dicas para a Gestão de Academias


Relacionados

Homenagem da Acade ao Dia do Profissional de Educação Física

Homenagem da Acade ao Dia do Profissional de Educação Física

10 Dicas para você ter os melhores profissionais do mercado

10 Dicas para você ter os melhores profissionais do mercado

O Marketing Boca a Boca

O Marketing Boca a Boca